Pular refeições, não comer arroz e feijão, e não comer carboidratos à noite são algumas das principais ideias falsas que as pessoas têm para perder peso
Mito: pular refeições ajuda a perder peso
    Viver em forma é algo que exige esforços, mas muita gente faz coisas que, em vez de ajudar, podem até prejudicar o emagrecimento e, pior, a saúde. Com base em mitos e crenças que não possuem comprovação científica, muita gente escolhe dietas e toma atitudes nada recomendadas pelos nutricionistas. Uma delas é pular refeições para perder peso.
     De acordo com a nutricionista Claudia Coelho, apesar de acreditar que o mito já quase não existe, ainda há pacientes que têm essa ideia. Mas o tiro pode sair pela culatra. “O jejum prolongado pode retardar o metabolismo e prejudicar a perda de peso”, afirma.
     A nutricionista Rosane França explica: “quando a pessoa fica sem comer, o metabolismo entende que a pessoa está em uma situação de risco e começa a economizar energia. Com isso, o metabolismo fica lento e cada vez a pessoa precisa de menos calorias para manter o peso”.
Mito: fazer dietas restritivas vale a pena
     Tomar apenas sucos durante duas semanas, reduzir a refeição a um prato de alface com frango, deixar de comer carboidrato, gordura e tudo mais que pode engordar. Esses e muitos outros sacrifícios são feitos por muita gente para secar aqueles quilinhos extras – principalmente com a aproximação do verão.
     Mas esse comportamento, que pode ser um complemento ao de pular refeições, também não funciona. Mesmo que a pessoa consiga emagrecer, a chance de engordar novamente é grande, pois, segundo Rosane, além de prejudicar o organismo, as dietas restritivas são altamente sabotáveis e de fácil desistência.
Mito: tudo que é natural faz bem
      A ideia de que a natureza só fornece coisas boas e que não faz mal abusar de seus frutos não pode ser levada ao pé da letra. Se alguém tomar suco ou comer frutas em demasia, por exemplo, é possível engordar ao invés de emagrecer, já que esses alimentos contém açúcar, a chamada frutose.
    “Até água em excesso pode ser prejudicial. Se, durante as grandes refeições, você ingerir uma copo duplo de água, pode prejudicar a digestão”, diz Claudia Coelho.
Mito: jantar engorda
     Segundo a nutricionista Claudia, o metabolismo durante a noite é mais lento e a atividade nesse horário é, em geral, mais moderada, mas isso não significa que as pessoas que têm costume de jantar estão fadadas ao sobrepeso. “Não importa a hora do dia em que você come. É o quanto você come durante todo o dia que pode contribuir com o aumento de peso”, afirma.
     Ela diz que, para não passar fome à noite, o melhor é consumir alimentos leves, como legumes, sopas, sucos e frutas.
Mito: comer carboidratos à noite engorda mais
    Se quem está de regime já costuma evitar os carboidratos de dia, durante a noite, esses nutrientes são totalmente eliminados da lista de opções. No entanto, a nutricionista Claudia Coelho afirma que não faz sentido demonizar os alimentos desse grupo.
    “O metabolismo é mais lento à noite, mas isso vale para qualquer alimento, não só carboidratos”. Para que o consumo desse nutriente não prejudique de fato a dieta, é aconselhável moderar as quantidades e dar prioridade aos tipos complexos (como arroz, batata, pão e massas) em vez de tipos simples (como frutas, mel e doces em geral).
Mito: ingerir vinagre antes das refeições emagrece
     Apesar da crença de que beber vinagre pode ajudar a perder alguns quilinhos, Claudia Coelho alerta que não há comprovação científica desse fato e que ainda há riscos de prejudicar a saúde. “Pode causar uma irritação no estômago e levar à formação de úlcera”, afirma.
    Além disso, ela ainda diz que é preciso tomar cuidado na hora da compra, pois muitas marcas disponíveis no mercado não são vinagre propriamente dito, mas agrim (termo ditado pela Anvisa). A diferença é que o vinagre é o líquido resultado do processo de fermentação, enquanto o agrim é ácido acético diluído
Mito: comer arroz e feijão engorda
   Por serem fontes de carboidratos, muitas pessoas que desejam emagrecer não titubeiam na hora de eliminar essa combinação tipicamente brasileira, pensando que ela não é estritamente necessária para a saúde. Mas, segundo Claudia, consumir arroz e feijão é importante para a dieta. Isso porque seus nutrientes se completam.
    Enquanto o arroz apresenta mais metionina do que o feijão, este tem mais lisina do que o arroz. “O consumo desses alimentos em conjunto contempla a dieta com vitaminas do complexo B, cálcio e ferro”, afirma. Além disso, estudos já comprovaram que o efeito de saciedade que a combinação provoca ajuda a perder peso. O importante é só não exagerar nas quantidades.
Mito: é preciso cortar todas as gorduras do cardápio
    Apesar de o nome assustar um pouco, há gorduras que, sim, são benéficas para a dieta e para a saúde. “O lipídio faz parte das membranas celulares. O que devemos é moderar o consumo referente à quantidade, já que cada grama representa nove calorias, mais que o dobro dos carboidratos (quatro calorias)”, afirma Claudia.
    A nutricionista afirma que acrescentar o óleo de coco e a linhaça germinada ao cardápio pode ajudar, uma vez que são gorduras saudáveis e que são apontadas como boas auxiliares para o emagrecimento. Se associados a uma dieta equilibrada e consumidos com moderação, esses alimentos valem a pena.
Mito: beber água quente em jejum emagrece
     Não adianta nada beber água quente em jejum e esperar perder peso com isso. De acordo com a nutricionista Claudia Coelho, esse hábito pode até acelerar o funcionamento dos intestinos, provocando a evacuação, mas não vai derreter nenhuma gordura do organismo.
     “Queimar gordura e eliminar peso depende da qualidade e quantidade de alimentos ingeridos e o gasto calórico”, afirma. Há alguns alimentos, chamados termogênicos, que desempenham essa função de queimar calorias, como a pimenta, gengibre, canela e chá verde.
Curta Nossa FanPage e Compartilhe Saúde NutriDicas .